Pesquisa Rápida:


Entorse do Tornozelo (Pé)


Entorse do Tornozelo

A entorse do tornozelo resulta do estiramento/rotura de ligamentos que ligam os ossos entre si, por serem sujeitos a uma distensão excessiva devida a torção do pé.

A entorse do tornozelo resulta de uma lesão ligamentar secundária à rotação interna do pé - o pé fica preso no solo e o corpo roda para fora. Esta situação está frequentemente associada a rotura do ligamento perónio-astragalino anterior, mas também se podem verificar fracturas ósseas.

Quais as causas:

A entorse do tornozelo é devida à rotação interna do pé, ou seja, o movimento em que a planta do pé afectado fica virada para o pé não afectado, ao mesmo tempo que o corpo roda para fora.

Se bem que pode estar relacionado com irregularidades no solo, a adopção de determinadas formas de andar, o uso de sapatos altos e saltos estreitos podem facilitar a entorse, tal como situações de fraqueza muscular ou ligamentar.

Quais os sintomas:

Os sintomas dependem da gravidade da situação, podendo ser considerados 3 graus, dependendo do grau de estiramento e/ou rotura dos ligamentos:

 Grau 1 ou entorse ligeira - os ligamentos sofrem estiramento mas não rotura. Os sintomas são ligeiros, no que diz respeito à dor e inchaço local.

*       Grau 2 ou entorse moderada - os ligamentos sofrem estiramento e rotura incompleta. Os sintomas são mais exuberantes, com dor local, inchaço e, por vezes, hemorragia, dificultando, ou mesmo, impossibilitando a marcha.

*       Grau 3 ou entorse grave - ocorre rotura completa de um ou mais ligamentos, o que provoca instabilidade do tornozelo. Este aspecto, em conjunto com os sintomas intensos que se desenvolvem imediatamente, tornam a marcha impossível.

Os sintomas (dor, inchaço) agravam-se progressivamente após a entorse e tornam-se mais intensos com o calor da cama ou com o banho de água quente.

Como se diagnostica:

O diagnóstico da entorse é clínico, ou seja, é feito após a observação do doente por especialista de ortopedia. A radiografia do tornozelo pode ser realizada, mas apenas para excluir a coexistência de fractura.

Nos casos mais complexos são necessários outros exames complementares como a radiografia sob esforço em varo, para comparação com o lado são.

Como se desenvolve:

Nem sempre a ausência de sintomas exuberantes permite excluir uma entorse mais grave, pelo que o exame clínico deve ser cuidadoso, além de serem realizados exames complementares sempre que for indicado.



A entorse pode provocar lesão de um nervo, ao longo da sua passagem no tornozelo, produzindo dor e formigueiro. Se se formar um pequeno nódulo no local de "consolidação" do ligamento, poderá perpetuar-se a dor e a inflamação crónicas.

Formas de tratamento:

O tratamento a seguir depende da gravidade da situação. O repouso é fundamental, tal como a elevação do tornozelo e a aplicação de compressas/toalhas geladas.

Na entorse ligeira, habitualmente opta-se pela aplicação de uma ligadura elástica seguida de mobilização imediata. A marcha será reiniciada de forma progressiva.

Na entorse moderada, além da ligadura elástica e repouso, deve ser utilizado um apoio de marcha (canadiana) durante 3 semanas, de forma a imobilizar a parte inferior da perna.

Na entorse grave, a indicação será de operar de forma a suturar os ligamentos e posteriormente aplicar uma imobilização gessada.

Formas de prevenção:

Nas pessoas que apresentam entorses frequentes podem ser utilizados aparelhos ortopédicos (mangas elásticas) e calçado estabilizador do pé e tornozelo.

Doenças comuns como diferenciar:

O diagnóstico diferencial coloca-se com a fractura do maléolo externo, por rotação externa do pé. A diferenciação é clínica.

Outras designações:

Torção do pé.

Quando consultar o médico especialista:

A entorse implica observação no serviço de urgência por médico especialista de ortopedia.

Pessoas mais predispostas:

O risco de entorse é maior nas pessoas que usam sapatos de salto alto e estreito, e nas que adoptam maneiras de caminhar que facilitam a torção do pé.

Se os músculos estiverem enfraquecidos ou os ligamentos do tornozelo mais frouxos, a entorse está facilitada.

Outros Aspectos:

O risco de entorse é maior nas pessoas que usam sapatos de salto alto e estreito, e nas que adoptam maneiras de caminhar que facilitam a torção do pé.

Se os músculos estiverem enfraquecidos ou os ligamentos do tornozelo mais frouxos, a entorse está facilitada.

O risco de entorse é maior nas pessoas que usam sapatos de salto alto e estreito, e nas que adoptam maneiras de caminhar que facilitam a torção do pé.

Se os músculos estiverem enfraquecidos ou os ligamentos do tornozelo mais frouxos, a entorse está facilitada.