Pesquisa Rápida:


Ténia Solitária - Teníase


"Ténia" é o nome comum dado aos vermes platelmintos das ordens Pseudophilidae e Ciclophylidae, que pertencem à classe Cestoda, que inclui vermes parasitas de diversos animais, inclusive do homem. A Taenia solium e a Taenia saginata são as mais conhecidas por parasitarem o intestino delgado do homem. Os seus hospedeiros intermediários são o porco, no caso da Taenia solium, o boi no caso da Taenia saginata e os peixes no caso do Diphyllobothrium latum. Além de ser o hospedeiro definitivo, quando tem o lúmen do intestino parasitado, (de forma quase sempre benigna) causando a doença Teníase, o homem, também pode se tornar hospedeiro intermediário sendo acometido por uma doença mais grave, a Cisticercose

Progressão e Sintomas

A teníase intestinal (Ser humano como hospedeiro definitivo) é frequentemente assintomática, mas em algumas pessoas pode causar sintomas de reacção imunológica como eosinofilia, náuseas, vómitos, diarreia ou obstipacção, dor abdominal e alterações do apetite. Em indivíduos já subnutridos podem agravar a desnutrição. A infecção não dá imunidade a reinfecção.

No caso da infecção com a ténia dos peixes (D. latum) há adicionalmente risco de deficiência em vitamina B12, a qual é consumida em grandes quantidades pelo parasita, que afecta cerca de 1% dos portadores, com anemia megaloblástica (ou podemos chamar também de perniciosa) e sintomas neurológicos como deficiências sensoriais do tacto.

A Cisticercose é devida à ingestão acidental de ovos de ténia em água ou comida contaminadas: o ser humano é acidentalmente tomado como hospedeiro intermediário pelo parasita. Os ovos eclodem no lúmen intestinal e as oncosferas invadem a mucosa intestinal. A maioria migra para os músculos, onde se encista, mas algumas podem enquistar-se em órgãos delicados como o olho e o cérebro, causando sintomas como alterações visuais, convulsões, epilépticas, e outros distúrbios neurológicos. No coracção podem agravar insuficiência cardíaca.

Diagnóstico e Tratamento

O diagnóstico da teníase intestinal é feito pela observacção dos ovos ou proglótes nas amostras fecais, observadas ao microscópio óptico. Um único exame cropoparasitológico não exclui a teníase e deverá ser repetido utilizando-se técnicas de concentracção de ovos como a de Ritchie que apresenta 90% de eficiência na visualizacção de ovos e confirmacção da teníase. Os testes de hemaglutinacção e imunofluorescência indireta auxiliam no diagnóstico da teníase quando os métodos parasitológicos mostram-se insuficientes. O diagnóstico da cisticercose é por imagiologia (TAC) com confirmacção pela análise de biopsia de tecidos afectados. A distinção entre as duas espécies quase nunca é necessária mas pode ser feita pela técnica de reconhecimento de ADN, a PCR.

O tratamento da teníase intestinal é feito com fármacos antiparasíticos como a nitazoxanida, o praziquantel ou o mebendazole. Na cisticercose são usados praziquantel e corticorticóides.

Prevenção

A prevenção é feita no nivel da saúde pública pela melhoria da higiene e controle da alimentacção dos porcos e vacas, e análise de animais avulsos. A prevenção pessoal passa pelo consumo de carne de porco exclusivamente bem cozida ("bem passada"). A carne de vaca é geralmente mais segura porque a vaca não se alimenta de detritos como o porco, contudo também é aconselhado o seu consumo apenas se bem cozido (ou seja sem ficar nenhuma porção vermelha). O presunto e outros enchidos não cozidos são alimentos de especial risco.