Pesquisa Rápida:


Ascaridíase


A ascaridíase ou ascaríase é uma parasitose geralmente benigna causada pelo verme nemátode Ascaris lumbricoides, também conhecido popularmente como lombriga.

São vermes nemátodes, ou seja fungiformes sem segmentação, e com tubo digestivo completo. A reprodução é sexuada, sendo a fêmea (com até 40cm de comprimento) bastante maior que o macho, e com o diâmetro de um lápis. Os ovos têm 50 micrómetros e são praticamente invisíveis a olho nu.

Ciclo de Vida

O indivíduo infectado libera, junto às fezes, ovos do parasito. Assim a larva se desenvolve em ambientes quentes e húmidos (por exemplo, o solo nos países tropicais) no qual permanece dentro do ovo. A infecção ocorre por meio da ingestão dos ovos infectantes em água ou alimentos, principalmente verduras. As larvas são liberadas no intestino delgado e alcançam a corrente sanguínea através da parede do intestino. Infectam o fígado, onde crescem durante menos de uma semana e entram nos vasos sanguíneos novamente, passando pelo coração e seguem para os pulmões. Nos pulmões invadem os alvéolos, e crescem mais com os nutrientes e oxigénio abundantes nesse órgão bem irrigado. Quando crescem demasiados para os alvéolos, as larvas saem dos pulmões e sobem pelos brônquios chegando à faringe onde são maioritariamente deglutidas, apesar de haverem alguns casos em que são expectoradas saindo pela boca. Pelo tubo digestivo, passando pelo estômago, atingem o intestino delgado onde completam o desenvolvimento, tornando-se adultos. A forma adulta vive aproximadamente dois anos. Durante esse período, ocorre a cópula e a liberação de ovos que são excretados com as fezes.

Epidemiologia

Existe em todo o mundo sendo maior a prevalência em países tropicais, sendo muito frequente no Brasil. Há no mundo 1,38 biliões de pessoas infectadas pela parasitose segundo a OMS, ou seja, um quinto da humanidade. O ser humano é seu único hospedeiro. A transmissão se dá pela ingestão de água ou alimentos contaminados com ovos infectantes.

Progressão e Sintomas

A grande maioria dos infectados tem apenas um número pequeno de lombrigas que não causam nenhum sintoma.

O período de incubação entre a ingestão do ovo e a chegada do parasito adulto ao lúmen intestinal dura cerca de dois meses. Nesse período as larvas passam por vários orgãos, como fígado e pulmões. Normalmente não causam problemas na sua migração mas, particularmente se existirem em grandes números, podem causar irritação pulmonar com hemorragias e hemoptise (tosse com sangue). Outros sintomas nesta fase além da tosse são, falta de ar (dispneia) e febre baixa.

Após chegada ao intestino e maturação nas formas adultas, os parasitas nutrem-se com o bolo alimentar e não são invasivos. Sintomas possíveis numa minoria incluem náuseas, vómitos, diarreia e dor abdominal, particularmente se a carga de parasitas é alta.

As complicações graves da ascaríase são raras e predominantemente em crianças que têm grande número de parasitas (devido muitas vezes às crianças comerem terra ou lamberem objetos sujos de terra). Assim, um grande número de adultos no intestino pode formar uma bolo de parasitas, que obstrui a passagem dos alimentos pelo intestino (íleo mecânico); grande número de parasitas na passagem pelos pulmões e faringe podem provocar crises de asfixia; e a migração de parasitas para os ductos biliares, pancreáticos ou apêndice resultar em colecistite, pancreatite ou apendicite. Pode também existir a forma errática da infecção (altas cargas parasitárias), onde os parasitas albergam órgãos não naturais da infecção podendo provocar hemorragias internas.

Diagnóstico e Tratamento

O diagnóstico é feito pela observação microscópica de ovos nas fezes, principalmente através da técnica de Kato-Katz ou pela sorologia.

Fármacos benzímáticos como mebendazole, pirantel, albendazol e nitazoxanida são eficazes no tratamento destes parasitas. O tratamento deve ser repetido após algumas semanas para matar larvas que possam estar migrando e portanto inacessíveis aos fármacos administrados por via oral no intestino.

Profilaxia

·         Educação sanitária;

·         Saneamento básico, com ênfase para o destino adequado das fezes humanas;

·         Tratamento da água usada para consumo humano;

·         Cuidados higiénicos no preparo dos alimentos (particularmente de verduras);

·         Higiene pessoal;

·         Combate aos insectos domésticos, pois moscas e baratas podem veicular os ovos;

·         Tratamento das pessoas parasitadas.